Pontos Turísticos-Comendador Levy Gasparian

Corredeiras do Rio Paraibuna

corredeira do rio paraibuna

Inicialmente conhecidas, as corredeiras do Rio Paraibuna é hoje, sem dúvida, a principal e mais requisitada atração turística não somente de Comendador Levy Gasparian, como de toda a região. Com início da descida em Comendador Levy Gasparian e término em Três Rios, com um percurso de aproximadamente seis quilômetros, as corredeiras são grandemente exploradas por agências de turismo especializadas, algumas das quais do próprio Município, como a empresa Flutuar Levy. A prática de canoagem no Rio Paraibuna tem começado a ser implantada.

End: – Centro – Cacique
Horário: Permanente

.

Pedra de Paraibuna

pedra de paraibuna

Ao lado das corredeiras do Rio Paraibuna, a grande formação rochosa em granito existente em Mont Serrat, 2º Distrito do Município, denominada de Pedra de Paraibuna, é uma das mais belas atrações naturais da região. Segundo dados fornecidos pelo IBGE, a Pedra de Paraibuna possui aproximadamente 890 metros de altitude a partir do nível do mar e, em vão livre, possui um imenso paredão vertical com cerca de 400m. Do seu cone tem-se uma visão panorâmica do vale do Rio Paraibuna, chegando em dias pouco nublado a avistar o Centro de Comendador Levy Gasparian e a vizinha cidade mineira de Simão Pereira e arredores. Situada em área particular, tem o Governo Municipal desenvolvido entendimentos junto a seus proprietários com o objetivo de franquear o acesso de turistas e da comunidade ao cume desta pedra. O Prefeito esta entrando em acordo com entidades voltadas para a prática de asa delta e agências especializadas em turismo ecológico para visitarem o atrativo futuramente.

End: – Mont Serrat
Horário: Permanente

.

Igreja de N. Sra. do Mont Serrat

comendador levy gasparian

O atual templo de N.S.do Mont Serrat é uma construção dos primeiros anos da segunda metade do século XIX. Suas linhas arquitetônicas são de inspiração neo-gótica. Sua inauguração foi em meados de 1862, que contou com a presença do Imperador D. Pedro II, que na ocasião esteve acompanhado pelo seu genro, o Duque de Saxe. Na sua construção uniam-se a então comunidade de Paraibuna, que contou com o apoio vital do Barão de Santa Justa e dos irmãos Hilário Joaquim de Andrade, Cristóvão Rodrigues de Andrade, Antônio José Barbosa de Andrade e Lauriano Rodrigues de Andrade. O atual templo sucedeu a outro, erguido na segunda metade do século XVIII, a mando do Guarda-mor das Minas Pedro Dias Paes Leme que, por sua vez substituiu o primitivo, erguido pelo bandeirante paulista Garcia Rodrigues Paes nos primeiros anos daquele século. Atualmente, apesar de beleza arquitetônica e de algumas peças decorativas, o templo enconstra-se remodelado em muitos aspectos. Exemplo está no altar-mór, cujo original foi substituído por um dito moderno, o que levou a descaracterizá-lo. Igualmente, se perdeu o piso e o forro, em tábuas corridas de madeira de lei; as pinturas sacras das paredes e os vitrais em cristais coloridos importados da Europa. Quase de tamanho natural, em estilo barroco, é dotada de rica pintura, inclusive a ouro. Necessita ser restaurada, para a sua melhor conservação.

End: Praça Manoel dos Santos, s/nº – Mont Serrat
Horário: Dias de missas ou solicitação junto ao zelador

.

Prédio do Museu Rodoviário de Paraibuna

museu rodoviario

Construção datada de 1860, em estilo chalé francês. Estrutura de madeira e alvenaria, com tijolos maciços a vista. Telhado em folhas de metal de cor clara. O prédio é tombado como Patrimônio Histórico Nacional. Encontra-se em muito bom estado de conservação, conforme laudo técnico expedido pelo Escritório Técnico de Vassouras do IPHAN – Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. É a única das doze estações de muda de cavalos que existiam ao longo da Estrada União Indústria, primeira rodovia brasileira construída atendendo a preceitos técnicos modernos. Esta rodovia e as respectivas estações foram, oficialmente, inauguradas em 23 de junho de 1861, pelo Imperador D. Pedro II e grande comitiva.

End: Praça Capitão Tiramorros, s/nº – Mont Serrat
Horário: De 3ª a Domingo das 10h às 17h.

.

Caminho do Ouro e Região

A área onde situa-se o Museu Rodoviário de Paraibuna é de ímpar importância para não só a história rodoviária do país, como também envolveu relevantes episódios de nosso passado. Os antigos caminhos do ouro, que serviam, para o escoamento do ouro produzido por Minas gerais no século XVIII por ali passavam. O principal deles, o chamado Caminho novo, foi asberto entre 1698 e 1704, pelo bandeirante paulista Garcia Rodrigues Paes. O caminho hoje é uma estrada vicinal, sob a denominação oficial de Estrada Garcia Paes, conhecida vulgarmente sob alcunhada de Estrada do Paiol. Trata-se de uma estrada de terra, que atravessando a Serra das Abóboras, ligando Levy Gasparian à Paraíba do Sul. Tem sua origem no Caminho Novo de Minas, aberto entre 1968-1704, pelo bandeirante paulista Garcia Rodrigues Paes. Sua exploração turística, atualmente, é a realização de trilhas com caminhadas leves e pesadas. Em 1816, D. João VI determinou realização de obras de abertura de uma nova construção de uma ponte sobre este referido rio. A ponte, hoje situada em frente ao Museu Rodoviário, foi inaugurada em 1824, pelo Imperador D. Pedro I. Tiradentes passou diversas vezes por Mont Serrat, em suas viagens de divulgação da causa da independência, sendo que, em 1784, foi o Comandante da Patrulha Militar do Caminho Novo. Dezenas de viajantes estrangeiros passaram por Mont Serrat, descrevendo a localidade em suas obras. Entre os mais conhecidos, destacamos os franceses Augustin de Saint-Hilaire e Francis de Castellnau e os alemães von Martius e Spix.

End: Próximo a localidade de Mont Serrat – Afonso Arinos

.

Ponte do Rio Paraibuna

ponte

Construída em 1709, por ordem de Garcia Rodrigues Paes, bandeirante que fez o Caminho Novo para transporte do ouro, vindo a ser o primeiro trecho de ligação de Diamantina até o Rio de Janeiro, passando por Petrópolis. Para efeutar esta travessia era necessário ter um documento do império com o carimbo de D. João VI, que funcionava das 6h Às 18h. Na década de 70 e 80, quando dar-se-á a inauguração da BR-040, a ponte deixou de ser a principal ligação entre os dois estados. Atualmente a ponte ainda é utilizada para a realização desta travessia, pois é o meio utilizado como fator de ligação de Mont Serrat, no Rio de Janeiro, e Paraibuna, em Minas Gerais.

End: Estr. União Indústria – divisa Rio de Janeiro Minas Gerais
Horário: Permanente

.

Prédio do Colégio Coronel Antônio Peçanha

colegio

Situado no coração de Levy Gasparian, é uma construção da Segunda metade do século XIX. Seu estilo é o neo-clássico, cujos detalhes de sua ornamentação em grande parte se perdeu. Entretanto, conserva suas linhas arquitetônicas básicas, em ótimo estado de conservação. Os dois extremos do prédio são dotados de ricos e raros vasos policromados em porcelana de Santo Antônio do Porto, procedência também das três imagens (dos quatro originais), que representam as estações do ano, situadas na fachada principal, sobre a cobertura do segundo andar. A sua construção foi determinada por Hilário Joaquim de Andrade, Barão do Piabanha, fundador da cidade de Levy Gasparian. Inicialmente, era destinado a residência, em sua parte superior, e comercial, na inferior onde era comercializado os produtos oriundos de sua Fazenda de Serraria, principalmente café. Após a morte do Barão do Piabanha em 1865, seus filhos e herdeiros, atendendo a uma de suas últimas vontades, uniram-se e transformaram o palacete em uma escola pública. Sua inauguração ocorreu em 1873, sendo portanto uma de suas escolas públicas mais antigas existentes em nosso estado e, suas atividades tem sido ininterruptas nestes mais de 125 anos.

End: Praça Joaquim Ferreira, s/nº – Centro
Horário: Prévia autorização da Direção daquela unidade de ensino

.

Fonte: http://www.ferias.tur.br/

Copyright © GUIA DA ESTRADA REAL - O seu guia de bolso